Peixe FilhoteOs problemas relacionados à prática da piscicultura são causados pelo descuido no manejo da cultura. Problemas esses que atacam a produtividade dos tanques, matando os peixes e permitindo que se desenvolva a má qualidade da água. Quando se coloca quantidades extremas de peixes nos tanques, açudes ou em outros locais de cultivo ou quando se joga ou fertiliza a água, excessivamente, com esterco, acaba desequilibrando a natureza. As bactérias que estão na água passam a produzir gases tóxicos demais, diminuindo a qualidade da água e conduzindo os peixes à morte.

Para evitar outros problemas no criadouro ou viveiro, é preciso que se tome cuidado em relação à qualidade da ração. A boa ração faz o peixe produzir menos fezes, além de proporcionar um melhor aproveitamento da alimentação e, ainda, mantém-se a água em bom estado. Outro fator importante é ter o domínio das técnicas da piscicultura. Uma vez que o piscicultor é munido de um bom manejo, ele conseguirá adaptar o tanque com as condições climáticas e ambientais, o que vai gerar-lhe lucro, pois haverá maior produtividade.

Doenças nos Peixes

Diversas bactérias existem nas pisciculturas e nos criadouros. Há também desequilíbrio, que pode vir como consequência, pela falta de manutenção do viveiro. Gerando aumento de problemas com doenças nos filhotes juvenis e peixes adultos. Tudo depende da forma como se conduz o tanque de peixes. Os termos técnicos são fundamentais para evitar as doenças e podem impedir que se tenha um prejuízo enorme para o piscicultor.

Devem ser tomadas algumas providências para evitar as doenças no viveiro, tais como:

  • Manejar corretamente o viveiro, quanto a qualidade da água, nutrientes, temperatura - a baixa temperatura inibe a imunidade dos peixes;
  • Providenciar alevinos (filhotes de peixe) de ótima qualidade genética, pois são mais resistentes;
  • Deve-se realizar quarentena antes de se introduzir novos peixes;
  • Manter separado o setor de berçário;
  • Remover do local os peixes mortos e doentes;
  • Prestar atenção no comportamento do peixe (isso pode ser observado na quarentena);
  • Ser asseado com os equipamentos do dia a dia;
  • Respeitar a natureza, não exceder o limite do viveiro.